quarta-feira, 27 de julho de 2011

Imagem pelo ralo

Eu fiquei realmente chocado quando vi 3 caras, com mais de 17 anos (menos de 25, com certeza) tirando fotos cada um de si próprio, fazendo pose no banheiro masculino de um shopping. O choque foi rápido o suficiente para não manifestar qualquer movimento ou olhar diferente, e em seguida eu estava longe e desligado, mas a cena foi realmente muito bizarra.

Sei que o "auto-retrato" é a modalidade da juventude (apesar de que só havia visto entre gurias ou entre matilhas de guris, todos na mesma foto). Uma febre incrível que tem pose marcada e produção em massa. Celebridades retro-alimentam a cultura twitando fotos suas, peladas ou não, bem como a possibilidade de exposição por várias mídias é tão atraente para a galera que, acredito, seria suficiente sem essa ajuda da gente famosa. Mesmo assim, aquelas poses no banheiro masculino me tomaram de surpresa. Se querem se mostrar, por que num banheiro? Por que público? Por que do shopping? 

Parece-me que a última informação, ser no shopping, tem mais chance de ser a resposta da charada. É isso? "Vitória contra exclusão"? A julgar pelo estilo e pelos comentários (sim, eu uso conhecimento prévio para prejulgar seres humanos no meu ambiente), não seria algo cotidiano para aqueles guris estar ali; talvez mal possam comprar algo naquelas lojas. Será que eu estava certo? Seria uma questão de "ascensão"? 

No entanto, se o for, por que o esforço por ascensão sempre clama pela estética? Por que as marcas de boné chegam antes dos interesses, do estilo de dedicação ou de linguagem que mantém quem está por cima exatamente onde está? Não me digam que é questão de consumismo, culpa do mercado. Este pode até explicar o amor inquestionável por uma marca, mas não explica fotos no banheiro. É claro que, na escolha do boné, o "mercado" é na verdade uma questão de fetiche, e do fetiche a humanidade não escapa, mesmo sendo seu veículo, por que razões forem, o espelho de um banheiro público.

2 comentários:

Rafa Guerra disse...

É só viadagem mesmo...

Tigre disse...

Não, aquilo era vaidade hétero mesmo... O contexto era estranho e a expressão era exagerada, mas a modalidade era reconhecível... rs